Você já imaginou a sua vida sem a música?

20/12/2018

O que torna uma frase indagação ou exclamação é a melodia com que a entoamos. Acrescida com todo um gestual que nos torna únicos, esta musicalidade faz parte da nossa forma de interagir, crescer e nos aprimora enquanto sujeito.

Quando descobrimos que nossa própria fala possui esta melodia, entendemos que a música faz parte da nossa vida. Ainda na fase intra uterina ouvimos o ritmo do coração materno e muitos outros sons do entorno, sons que se tornam familiares e se instauram enquanto memória. Mesmo nas fases mais avançadas nos quadros de demência na velhice, esta memória musical ainda está preservada. Ouvir uma canção familiar traz à tona um turbilhão de respostas fisiológicas e cognitivas que podem surpreender e superar as expectativas, promovendo respostas pertinentes mesmo quando a memória está severamente comprometida.

Foto: Lucas Dias
Foto: Lucas Dias


Com o avanço das neurociências e das tecnologias de neuro imagem, ambas empenhadas em entender como o som age em nossa mente e corpo, o uso da música na saúde vem conquistando reconhecimento. Um profissional de formação superior, graduado ou pós graduado em Musicoterapia está habilitado para exercer esta função. Usando o som, a música e todos os seus elementos de forma personalizada nos atendimentos clínicos individuais ou em grupo, o Musicoterapeuta atua com populações diversas e alcança objetivos motores, cognitivos e interpessoais.

A Musicoterapia auxilia crianças, adolescentes, adultos e idosos, promovendo a saúde através das interações sonoras e musicais que visam alcançar objetivos terapêuticos específicos para cada paciente. O profissional musicoterapeuta atua também no contexto da educacional e empresarial criando estratégias de intervenção consistentes e eficientes que vão atender à demanda da instituição utilizando os recursos sonoros e musicais. Também é função musicoterapeuta orientar os demais colegas das áreas da saúde e da educação quanto ao melhor uso música em seu campo de atuação. Com este fim o Musicoterapeuta promove oficinas, workshops e o serviço de mentoring para demais profissionais como terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos e psicólogos. Afinal a música faz parte da vida, mas deve ser utilizada com critérios que garantam os melhores benefícios sem causar prejuízos. Prejuízos? Sim, um uso inadequado destes recursos com pessoas que apresentam patologias como TEA- Transtorno do Espectro do Autismo, Síndrome de Down, Paralisia Cerebral, Alzheimer dentre outras pode reforçar condutas inadequadas como movimentos estereotipados, crises de ausência ou fuga da realidade.

Na fase da adolescência a música é fator de inclusão e identificação entre os pares. Esta é a época das tribos e da adoração aos ídolos que representam seus medos e suas alegrias diante á esta nova fase. A música é a manifestação artística que reúne o maior número de pessoas em torno de um mesmo pensamento. Logo que começa a puberdade com seu turbilhão de hormônios, os adolescentes encontram na música uma linguagem única para representar e exteriorizar suas ansiedades. Principalmente quando o adolescente apresenta alguma intercorrências como timidez, depressão, TDAH, patologias do neurodesenvolvimento ou síndromes, a musicoterapia é uma intervenção que já traz em si o germe do sucesso. A motivação, fator importante que a música desperta, principalmente nesta população.

Ouvir uma canção familiar traz à tona um turbilhão de respostas fisiológicas e cognitivas que podem surpreender e superar as expectativas, promovendo respostas pertinentes mesmo quando a memória está severamente comprometida.

A prevenção também é foco de atenção para o Musicoterapeuta e muitos estudos demonstram sua eficácia. O manejo do stress, o contato com significados íntimos e as manifestações criativas são fatores que auxiliam na manutenção da saúde e a música traz em si cada um destes aspectos de forma natural.

Mas onde encontrar um Musicoterapeuta? Realmente a profissão ainda é pouco conhecida e por este motivo o número de profissionais é reduzido. No senso nacional realizado este ano pela UBAM - União Brasileira das Associações de Musicoterapia, o número alcançado não ultrapassou três dígitos. Uma das especializações da área é a Musicoterapia Neurológica, que requer uma formação específica que ainda não é oferecida no Brasil. A Academy of Neurologic Music Therapy - Robert F. Unkefer mantém em seu site uma lista atualizada com os profissionais que a representam em diversos países.

O espaço Musicoterapia BH, localizado no Buritis oferece o serviço direcionado á todas as faixa etárias, começando com o Música para CRESCER que recebe as mamães e sua crianças menores de 4 anos em encontros semanais. O trabalho auxilia na estimulação infantil e na qualidade da maternagem, fase de aprendizado para todas as mulheres. Os grupos são inclusivos e se tornam espaço de ganhos importantes, tanto no desenvolvimento das crianças que participam como doas adultos que as acompanham. As mamães lúdicas e criativas se sentem mais seguras na hora de cuidar de seus pequenos enfrentando a tarefa com maior leveza.

Turma Serendipity: Didi, Simone, Nolly e Marquito.
Turma Serendipity: Didi, Simone, Nolly e Marquito.


Na fase da adolescência o Musicoterapia BH TEEN realiza encontros semanais, sessão individual ou em grupo com atividades que acontecem dentro do consultório e também no contexto da socialização em atividades como Flashmob Inclusivo.

Para as demais fases da vida dois projetos estão ganhando força pois o número de interessados é crescente, o MERAKI e o Musicoterapia BH Sempre. O primeiro acontece em encontro mensal para grupo de mulheres e visa reforçar as virtudes necessárias para atuar de forma eficiente nas muitas faces do feminino na vida contemporânea. A palavra meraki, de origem grega, significa fazer algo com a alma, criatividade e amor, ingredientes fundamentais da música. O segundo, Musicoterapia Bh Sempre tem encontro semanais e recebe pessoas com mais de setenta anos, homens e mulheres que realizam descobertas sonoras para despertar a memória, a atenção e o prazer de viver.

Foto: Lucas Dias
Foto: Lucas Dias


O espaço Musicoterapia BH oferece também eventos- Oficinas/Workshop/Mentoring - que informam sobre a musicoterapia e orientam profissionais das áreas saúde e da educação sobre um uso mais adequado da música em seu campo de atuação. A novidade deste ano foi a criação da plataforma virtual Projeto Serendipity: brincando com música vamos estimular pessoas. Fruto da parceria entre profissionais da Musicoterapia e Música o projeto da forma ás intervenções criadas ao longo dos anos de atuação do Musicoterapia BH. O primeiro produto é o e-book O Natal que pode ser utilizado tanto em casa, na escola ou nas terapias como forma lúdica de estimular habilidades infantis através da música e do som.   

Simone Presotti Tibúrcio

Psicóloga e Musicoterapeuta

CRP 048052 | CBO MT 226305